fbpx

Os 3 grandes do e-commerce

De uma maneira ou de outra, já todos fomos clientes de uma loja online. Já todos passamos pelo processo de pesquisa até ao check-out e todos sabemos que, enquanto clientes, gostamos de ter as coisas fluidas e sem percalços, porque o que realmente queremos é o produto que temos debaixo de olho – ou dentro do carrinho.

Na verdade, parece tudo um mar de rosas quando corre bem, mas para quem gere um negócio de comércio online, escolher uma boa plataforma de e-commerce adaptada às necessidades do seu negócio nem sempre é fácil, apesar de ser um passo essencial para garantir a qualidade do processo de venda e a satisfação dos clientes.

Felizmente, há muitas plataformas de e-commerce e certamente existirá uma que responde da melhor forma às necessidades específicas de cada retalhista. Desde as grandes multinacionais com negócios em todos os pontos geográficos, até ao novo negócio de bolinhos de bacalhau da Dona Teresa, todos conseguem entrar no mundo do retalho digital.

Aqui vamos analisar 3 das plataformas mais utilizadas. São elas o Shopify, o WooCommerce e o Magento, que, apesar de serem todas direcionadas para o mesmo fim, são bastante diferentes entre si.

Na Skrey desenvolvemos soluções de e-commerce e decidimos juntar um pouco daquilo que é o nosso dia a dia em artigos. Este será, então, o primeiro de uma eventual série sobre estas plataformas eletrónicas. Aqui vamos encontrar uma análise meramente superficial sobre cada uma das três. Para conselhos de utilização, é só ligar connosco e nós tratamos do assunto.

Shopify

Esta plataforma é uma das mais queridas e um verdadeiro tudo-em-um para novatos, pois integra várias componentes essenciais para arrancar o negócio, com qualidade, e sem se sentir assoberbado pelo mundo da customização.

É acessível, user-friendly e o seu utilizador consegue customizar a sua loja online sem necessitar de conhecimentos de programação ou de apoio de profissionais, quer de programação, quer de design. O alojamento é tratado pela plataforma, sendo menos um pormenor a lidar por parte do retalhista. O Shopify acaba, então, por ser uma plataforma básica de utilizar, que permite adaptar o design e layout da loja online, cuidar do stock de vendas e manter uma página responsiva em várias plataformas (p.e. mobile).

Apesar de todas estas facilidades, criar uma loja com um aspeto e funcionamento profissional, requer bastante trabalho. Para aqueles que não se sentem muito à vontade, o melhor será mesmo recorrer a um parceiro Shopify. Um parceiro Shopify irá guiar e implementar a loja online, ficando responsável pelo bom funcionamento técnico e pela configuração da plataforma, adaptando-a às necessidades e objetivos do cliente.

O Shopify inclui de base integração com o Google Analytics, algo valioso para fazer análises sobre os visitantes da página e para ajustar as estratégias de marketing a aplicar. 

Nesta plataforma conta ainda com a Shopify App, um local onde podemos encontrar vários plugins (apps) que permitem personalizar a loja consoante as necessidades, tais como serviço de apoio ao cliente, entre muitas mais, sendo que o  valor de cada app acresce à mensalidade base. É tão fácil como ir à App Store ou à Play Store e escolher a rede social que queremos instalar. O valor destes extras é adicionado ao valor da mensalidade, que pode ser de 29 dólares, no plano mais básico, e pode chegar até 299 dólares, no Shopify Advanced. O Shopify também tem outras versões – por exemplo o Shopify Plus, mas falaremos delas noutro artigo.

Plugins e Apps à parte, além do preço cobrado pela Shopify, esta cobra adicionalmente uma taxa por cada venda efetuada através da plataforma, o que pode ser desmotivador quando se está a começar a vender. Esta taxa pode chegar a 2,9% do valor da venda, algo que, consoante o volume de vendas, pode ter um maior ou menor impacto na margem do retalhista.

No que diz respeito aos pagamentos, o Shopify tem o Shopify Payments, que simplifica todo este processo. Esta plataforma apresenta pouca diversidade de métodos de pagamento que traz de base (PayPal, cartão de crédito).

Mais uma vez, o Shopify excluiu Portugal da lista de Shopify Shipping, algo que simplifica todo este processo também. Portanto, à parte dos métodos de base que o Shopify oferece, é sempre benéfico para o vendedor adicionar plugins que procurem otimizar esta etapa, de forma a facilitar a integração dos processos de envio entre o lojista e a transportadora. É como foi dito em cima: a Skrey faz isto por si, aconselhamos consoante o seu negócio e as suas necessidades e implementamos a estratégia de envio que mais benefícios traz para si. Adicionalmente, também já temos bastante experiência a desenvolver plugins/apps/módulos de e-commerce  para transportadoras. Portanto, se gere uma empresa de transportes e quer simplificar o envio de encomendas online, provavelmente deveria falar connosco. 

Cá em Portugal, muitos dos pagamentos online são feitos por referência Multibanco e temos cada vez mais adeptos da plataforma MBWay, que facilita muito a experiência do utilizador na hora H.

 

No Shopify não é possível adicionar um gateway de pagamento consoante se quer, pois as entidades de pagamento têm de ser autorizadas pelo Shopify a desenvolverem apps para este efeitos. Uma solução pode ser os Hosted Payments SDK, que dão a possibilidade de integrar a página de pagamentos exterior com o checkout da loja Shopify, através de um redirect na etapa final de pagamento. 

WooCommerce

O WooCommerce anda sempre de mãos dadas com o WordPress, ou seja, é um plugin gratuito para WordPress, pelo que, ao contrário das restantes plataformas abordadas neste artigo, não é verdadeiramente uma plataforma independente de comércio online, mas sim uma parte do software de blogging e de publicação de conteúdos mais usado no mundo.

Graças ao WordPress, a criação de conteúdos gráficos, mesmo os mais complexos, é mais fácil. Graças aos inúmeros plugins que se podem instalar, pode-se aumentar as funcionalidades da loja de forma quase ilimitada, uma vez que até plugins específicos do WordPress podem ser usados. Assim, o WooCommerce acaba por ser uma plataforma bastante interativa e customizável, e que dá uma enorme liberdade a nível de desenvolvimento e de definição dos processos de trabalho – por vezes até demais (na nossa opinião).

Outra particularidade do WooCommerce é que há a possibilidade de ter a loja online diretamente ligada à página WordPress do administrador, permitindo a gestão de um ou mais sites de retalho através do mesmo backoffice, tornando até a gestão de multi-plataformas algo intuitivo e de fácil acesso. Apesar disso, nessa configuração, cada loja é totalmente independente, só partilhando a mesma plataforma de software e plugins. Ou seja, o catálogo de produtos, as encomendas, as configurações de envios, de pagamentos, são todas únicas de cada loja – mais à frente vão perceber porquê.

Vítimas do seu próprio sucesso, o WooCommerce e o WordPress, estão constantemente a ser atacados. Há atualizações constantes, quer da plataforma, quer dos plugins, mas estas têm que ser feitas para garantir a segurança do site. É muito importante saber escolher os plugins e garantir que o site se mantém constantemente atualizado.

Ainda assim, o painel de controlo é intuitivo e user friendly para quem se está a iniciar, mas, apesar de ser uma plataforma acessível que permite uma customização ainda mais aprofundada do que o Shopify, o WooCommerce exige um maior nível de conhecimentos do software por parte de quem gere a loja online, de forma a garantir um funcionamento fluido da mesma.

Para que WooCommerce não seja um bicho de sete cabeças, tal como na plataforma anterior, podemos, e devemos, recorrer a parceiros WooCommerce, que são entendidos do assunto e têm a destreza necessária para personalizar qualquer loja à medida de cada um.

Como já referimos, existe uma série de plugins para WooCommerce, então, seguindo a mesma linha, existe uma série de plugins para dar mais opções de modos de pagamento do que apenas aquelas que a plataforma de e-commerce traz consigo por default. Isto é sempre algo que pode fazer sentido consoante os clientes da loja online e as necessidades deles. A referência bancária e o MBWay são as formas de pagamento mais usuais entre clientes de lojas e-commerce, então, a integração de gateways neste sentido acaba por otimizar o fluxo de compra. Quando estes gateways são gratuitos, no caso do WooCommerce, são chamados de core payment options, e são o PayPal, envio à cobrança, transferência bancária, Stripe e Braintree.

No que diz respeito aos métodos de envio, se as opções ideais para a sua loja online forem envio grátis, ponto de recolha ou flat rate shipping, então o WooCommerce já as traz consigo, sem precisar de adicionar mais nada. Só é preciso saber configurá-las. Também existe a opção de acrescentar um plugin da transportadora com que se trabalha – se ela o disponibilizar. No entanto, é sempre bom dar aos nossos clientes algum poder de escolha/decisão, nomeadamente no que diz respeito a formas de pagar e de receber as encomendas. 

Magento

Grandes empresas ou negócios bem estabelecidos, mais complexos e de maior porte podem beneficiar mais desta escolha, visto que inclui elementos como multi-linguagem, multi-moeda, cálculo avançado de impostos, gestão stocks multi-armazém, entre várias outras. O Magento oferece capacidades de customização/adaptação ao modelo de negócio do comerciante que poucas ou mesmo nenhuma outra plataforma de e-commerce open source oferece. Se olharmos para as três plataformas em análise, o Magento é também a mais complexa de implementar, gerir e de evoluir. Esta plataforma tem uma versão gratuita – Open Source – e uma versão paga – Commerce e, seja qual for a versão, o Magento é mais complexo do que as outras plataformas analisadas aqui. 

Ambas as versões oferecem funcionalidades semelhantes, sendo que a versão Commerce acaba por dar ao lojista mais algumas capacidades e funcionalidades – em particular para modelos de negócio B2B, assim como suporte técnico da própria Adobe (empresa-mãe da Magento). No final de contas, praticamente tudo aquilo que a versão Commerce faz pode ser feito na versão Open Source, sendo provável que alguém já tenha feito módulos para o que se pretende – o Magento tem uma comunidade de developers muito ativa e existe inclusivamente um marketplace para plugins/módulos. 

Tendo em conta que em Portugal (e no resto do mundo) é mais utilizado o Magento Open Source, é nessa versão da plataforma que nos vamos focar. 

Esta plataforma, em parte por ser open source, acaba por ser mais flexível, pois dá a liberdade para customizar a loja online em profundidade desde o próprio tema (pode ser feito exclusivamente para cada loja, em código) até ao processo de negócio aparentemente mais insignificante. Assim, o Magento oferecer uma vasta escolha de templates para este efeito. Além da parte gráfica, o Magento tem de base mais funcionalidades que otimizam o potencial da loja, como a gestão de várias lojas através do mesmo backoffice, páginas de produto mais detalhadas – a criação de descontos de ponta a ponta, ou seja, o suporte do Magento permite criar regras para o uso de códigos promocionais e permite, também, vendas cruzadas (sugestão de produtos complementares ao da primeira escolha). Tudo sem ter a necessidade de instalar módulos ou plugins, como acontece nas plataformas anteriores.

No Magento, os descontos podem ser aplicados ao catálogo ou ao carrinho de compras. A plataforma permite definir o conjunto de regras que darão origem aos descontos, quer seja oferta de portes de envio (no carrinho), ou compre X recebe Y, ou ainda descontos a partir de X valor em compras. Assim, durante a experiência do consumidor, se este seguir ou atingir os parâmetros definidos, será automaticamente aplicado o desconto em vigor. Na tabela que se segue, percebemos como cada tipo de descontos tem subcategorias. Nos descontos de catálogo, as possibilidades passam por: preços especiais (em relação ao preço original); tier price (dependente do número de produtos, por exemplo) e group price. Consoante as regras de descontos em vigor (ativadas na loja e-commerce), o consumidor pode encaixar-se numa subcategoria e usufruir de uma promoção. Existem bastantes formas de aplicar diversos descontos em lojas Magento. Podem parecer complicadas de configurar, mas não é nada que na Skrey não façamos pelos nossos clientes.

Também o Magento conta com uma comunidade de developers especializados na plataforma e que trabalham ativamente para melhorar o núcleo da plataforma e, à medida que vão crescendo, vai sendo possível que sejam criadas mais soluções, ferramentas e até módulos/plugins úteis para os negócios e-commerce. 

A possibilidade de customização, as  funcionalidades que traz de base e até o próprio design responsivo em diferentes plataformas, fazem com que o Magento seja uma plataforma bastante flexível e completa, da qual empresas podem beneficiar se tiverem apoio de uma empresa especializada em Magento, para garantir a boa gestão da plataforma de e-commerce.

Visto que o Magento está mais indicado para empresas de maior porte e em possível expansão no mercado, é importante que todo este investimento tenha um retorno, que será notório na qualidade da loja online e também na gestão que está por trás que assegura a gestão dos produtos e a facilidade de realizar encomendas.

Sobre outras coisas sérias, como pagamentos, o Magento oferece várias formas por default de escolha de pagamentos. Estas formas são os amigos do costume: PayPal, transferência bancária e pagamento à cobrança. Como seria de esperar, estas hipóteses podem ser alargadas com a instalação de extensões que ofereçam a solução que se quer. Em Portugal, é preciso ainda atender às necessidades dos nossos consumidores conterrâneos, pelo que não nos podemos esquecer de integrar um plugin que permita o uso da referência de multibanco e do MBWay.

No que diz respeito ao envio das encomendas, como o Magento traz mais funcionalidades de base, também este aspeto é facilitado pela plataforma em comparação às restantes. O Magento permite configurar os envios por país e até por código postal. As opções de distribuidoras podem, mais uma vez, ser sempre aumentadas com a integração de plugins. O Magento integra diretamente com grandes distribuidoras, como a FedEx, MRW, UPS e, no entanto, não tem integração com os CTT Expresso, uma das maiores distribuidoras em Portugal. Nestes casos, e em especial quando é algo que irá beneficiar o consumidor dos produtos da loja, pode ser customizado para os negócios que quiserem uma extensão que faça a ponte entre os CTT e a loja e-commerce, para que as encomendas possam chegar através de uma distribuidora tão reconhecida em Portugal. Na Skrey tratamos desta integração, para que possa apresentar mais uma opção de envio aos seus clientes.

Comparação

CURVA DE APRENDIZAGEM

O Shopify apresenta uma curva de aprendizagem menor em relação às outras duas plataformas aqui abordadas, pois o tempo necessário para dominar o uso correto da loja online é menor do que as plataformas que se seguem, que acabam por ser mais exigentes a nível técnico.

Por sua vez, a curva de aprendizagem que o Magento apresenta é significativamente maior e o nível de programação que o uso desta plataforma pode exigir deve ser assegurado por profissionais dedicados a otimizar a loja online.

SEGURANÇA

Enquanto as questões de segurança de um e-commerce alojado em Shopify são tratadas pela plataforma em si, mas outras duas não é bem assim. No WooCommerce e no Magento é necessário ser-se mais proativo e cuidadoso neste aspeto, mantendo as atualizações em dia e até complementando com plugins, de forma a garantir a maior segurança possível e a diminuir os riscos de falhas na mesma.

MÉTODOS DE PAGAMENTO

Quando vamos a escolher os métodos de pagamento para uma loja online, devemos ter em conta parâmetros como a localização geográfica (da qual se aceitam envios), a segurança (da plataforma, do gateway) e o custo (caso o gateway de pagamento não seja gratuito e ainda as taxas de transação envolvidas). Todas as plataformas de e-commerce apresentam opções de pagamento e de métodos de envio por default, sendo que estas podem sempre ser customizadas, através de apps ou plugins. 

Por exemplo, o Shopify é uma plataforma mais básica neste aspeto, apresenta menos opções e menos customização de pagamentos. Em cima disto, não nos podemos esquecer que esta plataforma ainda cobra uma taxa pelas encomendas. No entanto, é tudo customizável com ajuda profissional.

MÉTODOS DE ENVIO

Aqui também é importante ter em consideração alguns aspetos, nomeadamente o conforto que queremos dar ao cliente a nível de escolha de métodos de envio, o valor que estes métodos podem ter para o vendedor e a segurança/confiança nas transportadoras e nos plugins que podemos ir adicionando.

Deitando ali os olhos ao Magento, esta plataforma permite até discriminar métodos de envio e configurá-los por zona (país e código postal), bem como fazer um seguimento da encomenda no próprio site da loja. Isto torna menos necessário o acréscimo de plugins para obter funcionalidades. Visto deste prisma, o Magento acaba por trazer mais funcionalidades de base, fazendo com que seja uma plataforma mais competitiva a nível de funcionalidade, já que as outras plataformas, para oferecerem o mesmo, precisam de instalar plugins ou apps (no caso do Shopify).

Considerações Relevantes

Todas as plataformas têm mais valias e pormenores a melhorar. Ainda assim, será sempre possível ver diferenças entre uma loja amadora e uma loja com acompanhamento profissional, independentemente da plataforma e-commerce escolhida.

Por exemplo, apesar do Shopify ser um querido tudo-em-um, sem ajuda de um profissional ou um parceiro Shopify, a loja parecerá sempre mais básica, correndo o risco de não ficar bem configurada e de não ter um workflow otimizado.

O WooCommerce é bastante versátil e pode ser todo feito à medida do cliente. Contudo, é preciso ter cuidado e estar atento a questões de segurança e aos plugins utilizados, visto que, se carregarmos a loja de plugins, estes podem entrar em conflito (às vezes até por tentarem realizar a mesma função) e acabam por tornar a loja mais lenta. É necessário ter ajuda profissional que saiba que isto são coisas a ter em conta e que otimize todo o processo de e-commerce.

O Magento traz consigo mais funcionalidades de base, oferece mais opções de gestão da loja e mais autonomia/controlo sobre a mesma. É, também, menos vulnerável às questões de segurança e, como já mencionamos, é uma plataforma mais exigente e específica, que necessita de contratação de profissionais em Magento para uma implementação e customização cuidadas.

Resumindo e Concluindo

Esta análise permite-nos pôr em perspetiva todas as diferentes características de cada uma destas plataformas. Mais do que aquilo que elas oferecem em termos de e-commerce, conseguimos perceber pequenas funcionalidades que podem ser um fator crucial na hora da escolha. É preciso ressalvar que, qualquer que seja a plataforma escolhida, um dos maiores benefícios para qualquer negócio e-commerce é o apoio especializado por parte de empresas dedicadas à otimização de lojas online, pois permite garantir que não haja percalços no fluxo de funcionamento do negócio, uma segurança cuidada  e ainda as importantes atualizações a tempo e horas. A Skrey é uma destas empresas, e estamos de mãos no teclado prontos a ajudar.

  Olhando para tudo o que temos aqui, só nos resta referir que não existe melhor ou pior plataforma. Existe sim uma plataforma mais adequada para as necessidades específicas de cada um, tal como existem óculos graduados para várias dioptrias. É necessário fazer uma avaliação real e cuidada, de forma a escolhermos soluções que otimizem o fluxo do retalho e as suas vertentes, quer na ótica do utilizador, quer na ótica do vendedor.

Na Skrey, fazemos essa avaliação pelos nossos clientes, selecionamos e recomendamos a plataforma mais adequada às necessidades e objetivos de cada retalhista, e ainda fornecemos serviços de consultoria técnica direcionada para o e-commerce. Estamos deste lado para ajudar no crescimento de lojas e-commerce através de soluções personalizadas para cada retalhista, permitindo que  fiquem focados no seu negócio, nos seus produtos e seus clientes, pois também na Skrey, um dia feliz é feito de clientes felizes.

Leave a Reply